Portal JNMT
Portal JNMT
ARTIGO

Rejeição em campanha

Data: Quarta-feira, 07/09/2016 00:00
Autor(a): Onofre Ribeiro
Sobre Autor(a): É jornalista em Mato Grosso.

Pesquisa do Instituto Gazeta Dados para as eleições municipais deste ano revelou preferências eleitorais dos candidatos e os seus níveis de rejeição. Analisei esse item da pesquisa com o cientista político, professor João Edisom de Souza.

 

Para ele a inexistência de rejeição revela candidato morto. Sua rejeição não significa aprovação e sua voz não tem peso. Caminha mais pra campanha estagnada ou morna do que pra uma campanha movimentada.

 

O candidato não é ouvido pelo eleitorado naquilo que diz. Já na rejeição, o candidato está mais vivo e sua voz pesa porque pode levantar polêmicas. O segundo ponto levantado por João Edisom é muito interessante.

 

O candidato com rejeição significativa tem na verdade duas campanhas eleitorais. Uma voltada pra combater a rejeição e outra pra tratar de proposições pra gestão futura.

 

Nesse caso, com 40 por cento de rejeição em Cuiabá, o candidato Wilson Santos terá que desenvolver duas campanhas paralelamente.

 

Uma reduzindo a rejeição. É um discurso específico. A outra é a construção da parte propositiva da campanha pra convencer o eleitor a votar nele. Outro ponto defendido por João Edisom é que existem duas rejeições. A primeira é pessoal.

 

As pessoas não toleram a pessoa do candidato por razões ligadas ao seu caráter ou às suas atitudes. A segunda rejeição é institucional. O eleitor considera atitudes políticas ou atitudes desenvolvidas durante mandato ou atitudes políticas. Essa é pública e a primeira é pessoal.

 

Com o maior nível de rejeição, Wilson Santos tem mais oportunidades do que riscos. Essa avaliação ouvi ontem numa rodada de conversas reservada pra discutir a eleição municipal em Cuiabá.

 

Conhecedor da cidade e com larga experiência em mandatos anteriores diversos, tem a oportunidade de se redimir a partir da rejeição alta. João Edisom lembra o ex-prefeito Murilo Domingos, em Várzea Grande que, na eleição de 2010 iniciou a campanha com 78% de rejeição e elegeu-se.

 

Descobriu-se que sua rejeição era institucional e não pessoal. Botou o pé na estrada e elegeu-se. Se fosse pessoal, talvez não se elegesse.

 

Pesquisa pede análises que, às vezes, vão além do “quem ta na frente”.

 

 

PUBLICIDADE